sábado, 25 de julho de 2009

Eu queria ter escrito isso

Tem uma canção de Milton Nascimento e Tunai que fala daquele sentimento maluco que vez por outra nos acomete quando nos deparamos com algo que tem a cara da gente, tem tudo a ver com a gente, mas não foi a gente que fez, escreveu, compôs... Chama-se Certas Canções e diz assim:

Certas canções que ouço
Cabem tão dentro de mim
Que perguntar carece
Como não fui eu que fiz?


Pois quero aqui iniciar uma "sessão" nesse meu bloguizinho tão fulero e sem leitor chamada "Eu queria ter escrito isso".
E começo com Affonso Romano Sant'anna, pra mim(e muitos) o maior poeta vivo desse país. Quatro jóias da palavra que eu queria ter escrito.

Poemas para a Amiga
(Fragmento 7)



Estranho e duro amor
é o nosso amor, amante-amiga,
que não se farta de partir-se
e não se cansa de querer-se.
Amor
todo feito de distâncias necessárias
que te trazem
e de partidas sucessivas
que me levam.
Que espécie de amor
é esse amor que nos doamos
sem pensar e sem querer com tanto amor
e tão profundo magoar?
Estranho e duro amor
que não se basta
e de outros amores se socorre
e se compensa
e neste alheio compensar-se
nunca se alimenta,
mas se avilta e se desgasta.

Estranho amor,
ferino amor,
instável amor

feito sem muita paz,
com certo desengano
e um desconsolo prolongado.

Feito de promessas sem futuro
e de um presente de saudades.
Chorar tão dúbio amor
quem há-de?

Estranho amor
e duro amor
incerto amor,

que não te deu o instante que esperavas
e a mim me sobejou do que faltava.


.................

Poemas para a Amiga
(Fragmento 2)


Eu sei quando te amo:
é quando com teu corpo eu me confundo,
não apenas nesta mistura de massa e forma,
mas quando na tua alma eu me introduzo
e sinto que meu sangue corre em ti,
e tudo que é teu corpo
não é que um corpo meu
que se alongou de mim.
Eu sei quando te amo:
é quando eu te apalpo e não te sinto,
e sinto que a mim mesmo então me abraço,
a mim
que amo e sou um duplo,
eu mesmo
e o corpo teu pulsando em mim.


.........................

Separação


Desmontar a casa
e o amor. Despregar
os sentimentos das paredes e lençóis.
Recolher as cortinas
após a tempestade
das conversas.
O amor não resistiu
às balas, pragas, flores
e corpos de intermeio.

Empilhar livros, quadros,
discos e remorsos.
Esperar o infernal
juizo final do desamor.

Vizinhos se assustam de manhã
ante os destroços junto à porta:
-pareciam se amar tanto!

(................)

Amou-se um certo modo de despir-se
de pentear-se.
Amou-se um sorriso e um certo
modo de botar a mesa. Amou-se
um certo modo de amar.

No entanto, o amor bate em retirada
com suas roupas amassadas, tropas de insultos
malas desesperadas, soluços embargados.

Faltou amor no amor?
Gastou-se o amor no amor?
Fartou-se o amor?

No quarto dos filhos
outra derrota à vista:
bonecos e brinquedos pendem
numa colagem de afetos natimortos.

O amor ruiu e tem pressa de ir embora
envergonhado.

Erguerá outra casa, o amor?
Escolherá objetos, morará na praia?
Viajará na neve e na neblina?

Tonto, perplexo, sem rumo
um corpo sai porta afora
com pedaços de passado na cabeça
e um impreciso futuro.
No peito o coração pesa
mais que uma mala de chumbo.


.....................

Mistério


O mistério começa do joelho para cima.
O mistério começa do umbigo para baixo
e nunca termina.

2 comentários:

André Victor disse...

Excelente idéia! Affonso Romano de Sant'anna é realmente um dos maiores poetas desse país! Tem uma ótima entrevista com ele no observatório da imprensa, se vc não viu é bom conferir...

http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=528DAC005

Abraços, grande Capa!

Zigiefrid ou Rubéns disse...

Me aproveitando de outros...

"...Mas amar é sofrer, mas amar é morrer de dor..."

P.S.: sou seu aluno de Teorias da Comunicação na Fanor pela manhã.